Café melhora o humor e a saúde

cafezinho1

Três xícaras de café podem turbinar o humor, reduzir o risco de doenças e ainda dar um empurrão nos treinos

São Paulo – Uma xícara de café pela manhã já é hábito para muitos corredores. E não é à toa: a bebida desperta e parece dar aquela energia para treinar.

Mas existem bons motivos para você acrescentar mais uma ou duas xícaras ao cardápio. Muitos estudos apontam que o café pode deixá-lo mais feliz, menos estressado e até reduzir o risco de algumas doenças.

E os benefícios não estão apenas na cafeína: em si, o café também é rico em antioxidantes, substâncias que retardam o envelhecimento das células. Assim, quem prefere a versão descafeinada também aproveita as vantagens da bebida.

Turbina o humor

Segundo estudo do National Institutes of Health (EUA), quem bebe quatro xícaras de café diariamente tem 10% menos chance de cair em depressão. É que a cafeína pode funcionar como um antidepressivo suave por aumentar a ação da dopamina, neurotransmissor que produz sensação de bem-estar.
Evita o diabetes

É o que afirma uma análise feita por cientistas da Universidade de Qingdao, na China. Na pesquisa, o risco de desenvolver diabetes tipo 2 foi 12% menor para aqueles que tomavam duas xícaras de café diariamente na versão cafeinada e 11% menor para quem preferia a bebida sem a cafeína.
Melhora o desempenho

Pesquisadores do Reino Unido deram a ciclistas e triatletas uma bebida com 350 mg de cafeína, café com mesma quantidade da substância, café descafeinado e placebo. Uma hora depois, os participantes realizaram um teste de ciclismo. O grupo da cafeína e o grupo do café normal obtiveram desempenho igual entre si, além de terem sido mais rápidos em 2 minutos quando comparados aos grupos dos descafeinados e do placebo.

Protege o coração

Um recente estudo publicado no periódico Circulation, feito por cientistas da Universidade de Harvard (EUA), indica que o consumo moderado de café (de três a quatro xícaras diárias) pode diminuir em até 11% o risco de você desenvolver insuficiência cardíaca. Outros estudos também indicam que a bebida pode ter impacto positivo na função dos vasos sanguíneos e no controle dos níveis de colesterol.

Diminui o risco de alzheimer

O consumo da cafeína também parece eficiente para reduzir o risco de desenvolver o mal de Alzheimer. Pesquisadores das universidades do Sul da Flórida e de Miami (EUA) acompanharam, por quatro anos, idosos entre 65 e 88 anos. Durante o período, os voluntários consumidores de três xícaras diárias de café não desenvolveram a doença, enquanto aqueles que foram acometidos pelo Alzheimer tinham 51% a menos de cafeína na corrente sanguínea.

Liz Applegate, da RUNNERS

A Importância da atividade física para crianças e jovens

Obesidade Infantil 12 de abril 4

Nos últimos 20 anos, as taxas de obesidade em crianças e jovens nos EUA dispararam. Entre as crianças com idades entre 6 e 11, 15,8% estão com sobrepeso e 31,2% estão com sobrepeso ou em risco de sobrepeso.

Entre os adolescentes de 12 a 19 , 16,1% estão com sobrepeso e 30,9% estão com sobrepeso ou em risco de sobrepeso. O rápido aumento na prevalência de obesidade em jovens americanos ocorreu concomitantemente com outros tendências inquietantes. Entre 1991 e 2003, as matrículas dos alunos do ensino médio em aulas diárias de educação física diminuiu de 41,6% para 28,4% 0,3 transporte fisicamente ativo para a escola diminuiu de gerações anteriores, somente um terço das viagens para a escola ≤ 1 milha eA Associação Americana de Cardiologia publicou recentemente uma declaração científica sobre o sobrepeso em crianças e adolescentes que chamou a atenção para a gravidade do problema e identificou a importância da prevenção e tratamento.

O Instituto de Medicina divulgou recentemente um relatório sobre a prevenção da obesidade infantil que colocou grandes ênfase sobre o papel potencial das escolas. Outras organizações líderes recomendaram que as escolas adotem políticas que requerem aulas de educação física diárias, recesso na escola primária, e as oportunidades de atividade física antes, durante e depois das aulas. Durante a última década, várias organizações têm recomendado que as crianças e jovens participem de no mínimo 60 minutos de atividade física a cada dia.

Recentemente, um painel de especialistas realizaram uma revisão abrangente da literatura sobre atividade física em jovens em idade escolar e recomendou que as crianças e jovens participem de ao menos 60 minutos por dia de atividade física adequada, agradável , e que envolva uma variedade de atividades. O relatório do painel sugeriu que 60 minutos podem ser acumulados ao longo do dia na escola, durante o recesso e aulas de educação física durante esportes internos, e na escola antes e depois das aulas.

Atividade física para todos

Essas recomendações são relevantes para todas as crianças saudáveis com idades entre 5 e 17 anos, a menos que condições médicas específicas indiquem o contrário. O conceito de acumulação refere-se a cumprir a meta de 60 minutos por dia, realizando atividades em vários episódios mais curtos que se acumulam ao longo do dia (por exemplo, dois episódios de 30 minutos), somando-se o tempo gasto em cada uma desses intervalos.

Sempre que possível, crianças e jovens com deficiência também devem atender a essas recomendações. No entanto, eles devem trabalhar com seu prestador de cuidados de saúde para entender os tipos e quantidades de atividade física adequada para eles, levando em conta suas limitações. Essas recomendações são aplicáveis para todas as crianças e jovens, independentemente de sexo, raça, etnia ou nível de renda. Para crianças e jovens inativos, um aumento progressivo na atividade para, eventualmente, atingir a meta acima é recomendado. É conveniente começar com pequenas quantidades de atividade física e aumentar gradualmente a frequência, duração e intensidade ao longo do tempo. Também deve ser notado que se as crianças que não estiverem fazendo nenhuma atividade física, fazendo quantidades abaixo dos níveis recomendados trará mais benefícios do que fazer nada.

Benefícios da Atividade Física para Jovens

A Prática adequada de atividade física auxilia os jovens a:

• desenvolver tecidos musculoesqueléticos saudáveis (ossos, músculos e articulações);
• desenvolver um sistema cardiovascular saudável (ou seja, o coração e os pulmões);
• desenvolver a consciência neuromuscular (coordenação e controle dos movimentos);
• manter um peso corporal saudável.

A atividade física também tem sido associada com benefícios psicológicos nos jovens, melhorando o seu controle sobre sintomas de ansiedade e depressão. Da mesma forma, a participação na atividade física pode ajudar no desenvolvimento social dos jovens, oferecendo oportunidades de autoexpressão, a construção de autoconfiança, interação e integração social. Também tem sido sugerido que a atividade física nos jovens facilita a adoção de outros comportamentos saudáveis (por exemplo, evitar o uso de álcool, tabaco e drogas) e demonstrar um melhor desempenho acadêmico.

Como promover a atividade física para seu filho

A atividade física deve ser aumentada, reduzindo o tempo sedentário (por exemplo, assistir televisão, usar o computador, jogar vídeo game, ou falar ao telefone). A atividade física deve ser divertida para crianças e adolescentes. Os pais devem tentar ser modelos para estilos de vida ativos e proporcionar às crianças oportunidades para aumento da atividade física.

Diferença entre atividade física e esporte

Entende-se por esporte a atividade física que está associada à competição e visa resultados. O esporte é importante na formação do caráter porque desenvolve a sociabilidade (função do conjunto), respeito às regras (limites), empenho (essencial para o sucesso) e o modo de lidar com a vitória e a derrota. Por outro lado, acarreta riscos de lesões físicas (luxação, fratura, rompimento de ligamentos, entorses), desidratação (pelo calor) e sobrecarga psicológica (conflito emocional). Entre 8 e 11 anos já se pode indicar um esporte favorito sem dar ênfase no aspecto competitivo. Trata-se de uma associação de ginástica e jogos.

A partir dos 12 anos já se pode iniciar treinamento visando resultados.

É importante respeitar a maturidade biológica da criança e evitar sobrecarga nos exercícios. Cumpre advertir que nesta faixa etária existem grandes diferenças de maturação entre crianças da mesma idade. Por isso é preciso identificar o ritmo de crescimento e de maturidade na puberdade não levando em conta apenas a idade cronológica (a idade óssea pode ser um dado de orientação).

Atividades mais indicadas para cada faixa etária

É importante estar sempre atento e perceber o desenvolvimento de cada criança independentemente da idade, mas de uma forma geral podemos dizer que:

• Crianças em idade pré-escolar: precisam de atividades próprias ao seu potencial para o desenvolvimento da motricidade, sendo fundamental que em todos os momentos as atividades sejam lúdicas.
• 4 aos 6 anos: Os joguinhos começam a ficar interessantes. As atividades deverão ser realizadas com jogos e brincadeiras.
• 7 anos em diante: Serão trabalhadas atividades com diferentes exercícios de recreação e competição, o que estimula muito a criança. Já poderão ser introduzidos também o atletismo (corridas, saltos e lançamentos – de forma simplificada), a natação, pequenos jogos e etc.
• 11 aos 14 anos: A proposta aplicada já inclui, além de muita recreação, os jogos desportivos, não sendo aconselhado, no entanto, determinado tipo de desporto por faixa etária e sim, seguindo o desejo da criança. Sempre estimulando o aprendizado variado para que ela possa, no futuro, se dedicar ao que mais gosta a fim de ter qualidade de vida na fase adulta.

Conclusão

A atividade física e o esporte são aliados à saúde das nossas crianças e jovens. Mantendo-os fisicamente ativos trará benefícios que durarão uma vida inteira. No caso dos esportes é necessário que pais e técnicos se conscientizem que a criança não é um adulto em miniatura e que a meta é a manutenção da atividade física para toda a vida e não um “transitório pequeno grande atleta”.

O incentivo dos pais é imprescindível, o que não é absolutamente sinônimo de cobranças irrealistas. Pais, fisioterapeuta, treinador e médico devem formar uma equipe para atingir o objetivo final: atitude correta em relação à atividade física para toda a vida no contexto de uma vida saudável.

Se a criança estiver acostumada desde pequena a fazer um esporte, provavelmente esse vai ser um hábito que ela vai carregar pela vida toda e não se tornará um adulto sedentário.

por Marcia Cristiane Perretto
GAZETA Brazilian News

Dra. Marcia Cristiane Perretto Medina é fisioterapeuta graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Recebeu o diploma de Doutorado da Nova Southeastern University, em Fort Lauderdale, Flórida, em 2009. É especializada em ortopedia e medicina desportiva, e em terapia manual ortopédica pelo Ola Grimsby Institute, na Califórnia. Também se dedico ao treinamento físico e nutrição.

SOBRE EMAGRECIMENTO

302746_549237491758274_1176804689_n

Acelerar o metabolismo. Esta expressão entrou de vez no dicionário dos endocrinologistas, pois é uma maneira de tornar o processo do emagrecimento mais estável .As diferenças de metabolismo entre as pessoas explica porque uma pessoa magra que come muito não engorda. O organismo dela possui taxa metabólica elevada, ou seja, queima calorias mais rápido que outra que come a mesma quantidade de calorias diariamente e engorda. Por isso é que não se deve seguir a dieta da amiga ou do colega e nem se deve acreditar em fórmulas milagrosas. Cada pessoa deve encontrar a melhor forma de reeducar a alimentação para manter o peso saudável e a saúde em dia e procurar um especialista.

A variação da taxa metabólica é influenciada por várias fatores como idade (quanto mais velho, mais lento), por sexo, homens por exemplo, tem o metabolismo mais rápido, questões genéticas, alimentação e prática de exercícios. Afinal, cerca de 70% da energia produzida por nosso corpo é utilizada no metabolismo basal e 10% é utilizada no processo natural de metabolização dos alimentos.

A intolerancia alimentar emperra o metabolismo, prejudica o emagrecimento e causa edema . Alem disso um outro fator que também pode ajudar a TURBINAR o emagrecimento é a aplicacao semanal de enzimas lipoliticas semanal em mesoterapia e o aumento do fluxo de oxigênio para o tecido gorduroso através da carboxiterapia , pois o oxigênio é o responsável direto pela queima de gordura . O metabolismo é mensurado pelo consumo de oxigênio.

Para acelerar o metabolismo o primeiro passo é comer de três em três horas. Assim, seu corpo vai recebendo a informação e lembrando que tem que trabalhar mais rápido. Quem acha que para emagrecer deve ficar horas sem comer está totalmente enganado, afirma o endocrinologista Tércio Rocha. “Comendo pouco e várias vezes ao dia os seu hormônios ficam controlados, você reduz o apetite para a próxima refeição, melhora a digestão, o funcionamento intestinal e ainda queima mais calorias’.

Os alimentos termogênicos, ou seja, aqueles que produzem mais energia para serem metabolizados do que o número real de calorias que eles possuem – como por exemplo a pimenta, o gengibre, o chá verde, a mostarda, a laranja, a cafeína e até a água gelada – ajudam a aumentar o metabolismo, mas somente eles não resolvem a questão. Na verdade, a alimentação pobre em gorduras (que cansa o metabolismo), rica em fibras (que faz o processo de limpeza), fracionada em até sete refeições e equilibrada é que fazem este efeito’ lembra o médico ‘Experimente comer mais frutas e verduras, líquidos, comer mais sementes e grãos’, recomenda Tércio Rocha.

É muito importante a determinação na dieta, e inserir mais alimentos saudáveis, melhorar a qualidade de hidratação do organismo e investir em exercícios físicos para gastar toda esta energia que fica estocada e acaba se transformando em pneuzinhos desagradáveis.

Dr. Tercio Rocha
Médico

SAIBA COMO ARMAZENAR CORRETAMENTE OS ALIMENTOS NA GELADEIRA

Armazenar corretamente os alimentos é essencial para a boa conservação destes. Ademais, previne possíveis contaminações e auxilia na preservação de diversos nutrientes que podem ser perdidos uma vez que os alimentos estejam mal armazenados.

Em primeiro lugar devemos ter o cuidado de higienizar os alimentos antes de guardá-los. Assim, as frutas, verduras e legumes devem ser higienizados com hipoclorito de sódio ou com cândida (diluição de 1 colher de sopa por litro), ficando 30 minutos de molho. Em seguida, devem ser enxaguados e secados para então serem armazenados na geladeira. Em relação às embalagens, não armazene latas ou caixinhas de papelão dentro da geladeira. O ideal é passar o conteúdo dessas embalagens para potes de plástico ou vidro que já foram higienizados.

Além disso, é importante evitar o contato de alimentos crus (como carne, peixes e vegetais não lavados) com alimentos cozidos, já que isso pode causar contaminação entre os alimentos. Da mesma forma, lave os utensílios usados no preparo de alimentos crus antes de utilizá-los em alimentos cozidos.

O descongelamento de alimentos deve ser feito em micro-ondas ou sob refrigeração e nunca sob temperatura ambiente. Outra opção é cozinhá-los diretamente.

Os alimentos já preparados podem ser conservados em geladeira por no máximo cinco dias. Além disso, não deixe os alimentos cozidos à temperatura ambiente por mais de duas horas.

Abaixo, um esquema de como organizar a geladeira de forma adequada:

geladeira
Clique na figura para ampliar.

PAULA HAUBEN
Nutricionista
celular 21 81234806
e-mail: paula.hauben@gmail.com

Desvende 14 mitos e verdades sobre o leite – afinal, é bom tomar leite?

leite

O hábito de ingerir leite de vaca gera controvérsias. Há especialistas que condenam a bebida com a alegação de que traz malefícios, enquanto outros defendem o consumo diário para suprir uma série de nutrientes que o organismo precisa, com destaque para o cálcio. Mocinho ou vilão, o fato é que o leite de vaca carrega diversos mitos sobre o seu consumo. Neste Dia Internacional do Leite, lembrado no dia 24 de junho, esclareça a seguir as dúvidas mais comuns, respondidas pelas nutricionistas Adriana Mesquita e Maria Claudia dos Santos, do Hospital São Luiz em São Paulo, e Patrícia Ornellas, do Saison Spa no Rio de Janeiro.

1. O leite orgânico é mais seguro que o leite normal
Mito, os dois são seguros para o consumo. “A diferença do orgânico é que as vacas produtoras não recebem hormônios ou antibióticos para aumentar a produção de leite”, esclarece a nutricionista Patrícia. Essas vacas também não se alimentam de pastos com fertilizantes, o que torna o leite orgânico mais puro e a opção que mais preserva o meio ambiente.

No entanto, o governo brasileiro estabelece regras rígidas de segurança para garantir que todo leite comercializado esteja livre de resíduos que possam ser prejudiciais ao organismo. Por isso, tanto a versão convencional quanto a orgânica são consideradas seguras.

2. A ingestão de leite causa pedras nos rins.
Mito. A nutricionista Patrícia conta que o cálculo renal está, sim, relacionado ao cálcio, mineral presente em abundância no leite e derivados. “O cálcio em excesso no organismo tende a se depositar e ocasionar cálculo nos rins”, explica.

Só que reduzir o cálcio da alimentação não é a solução para evitar o problema. Na verdade, estudos e especialistas indicam que esse mineral – na medida certa – pode até ajudar na proteção dos rins. Em vez de banir o leite da alimentação, portanto, o ideal para prevenir complicações renais é beber bastante água, evitar álcool em excesso e reduzir o consumo de sal.

3. Leite desnatado é somente leite integral com água adicionada
Mito. O leite desnatado apenas tem um teor reduzido de gordura saturada e colesterol. Não há acréscimo de água – garante a nutricionista Patrícia – e não há redução de nutrientes.

Há quem afirme que a versão desnatada tem mais cálcio – o que seria positivo para prevenção da osteoporose – e mais sódio – o que seria negativo, principalmente, para hipertensos. A nutricionista Adriana, porém, diz que a diferença é irrelevante, já que as quantidades desses minerais – assim como de outros nutrientes – são semelhantes nos dois tipos de leite.

4. O leite deveria ser evitado na alimentação.
Mito. Há contradições, mas ainda prevalecem estudos e especialistas que afirmam que o leite só deve ser evitado em caso de alergias. “A bebida é ótima fonte de proteína e o cálcio que ela contém é mais bem absorvido pelo corpo, se comparada a outros alimentos que também sejam fonte desse mineral”, alega Patrícia.

5. Laticínios causam ganho de peso.
Verdade, assim como todo alimento em excesso que contenha gordura e calorias. Por isso, o ideal é ingerir as versões com teor reduzido de gordura que, se consumidas na medida certa, não provocam quilos extras.

6. Leite desnatado não tem colesterol.
Mito. A nutricionista Maria Claudia afirma que todos os alimentos de origem animal possuem colesterol. “O que ocorre com o leite desnatado é que, com a redução das gorduras do alimentos, o teor de colesterol livre também diminui”, explica a profissional.

7. Leite causa acne.
Mito. A nutricionista Patrícia lembra que ainda não está comprovado. “Existe um estudo que demonstra que os hormônios das vacas podem funcionar como pré- hormônios no sistema enzimático das glândulas de gordura”, explica. O estudo é de Harvard (EUA), que indica que esses hormônios seriam semelhantes aos causadores de acne na pele humana. No entanto, ainda faltam mais pesquisas para comprovar essa relação.

8. Alergia à proteína do leite é diferente de alergia à lactose.
Verdade. Alergia à proteína é uma resposta imunológica do corpo contra a proteína do leite, que pode ser de vaca, cabra, búfala etc. “O organismo entende essa proteína como um agente estranho que precisa ser combatido e desencadeia reações alérgicas, como diarréia e urticária”, explica a nutricionista Patrícia.

Já alergia à lactose é a falta ou deficiência da produção de uma enzima chamada lactase, que serve para digerir a lactose – o açúcar natural do leite. Patrícia conta que, quando não absorvida, essa substância é fermentada por bactérias do intestino grosso, levando à diarreia.

9. Se a pessoa for intolerante à lactose, deve evitar todos os laticínios.
Mito. “O que ocorre é que o grau de intolerância à lactose varia em cada caso, podendo se apresentar de uma forma mais ou menos agressiva”, conta a nutricionista Adriana. Com isso, muitas pessoas não podem consumir o leite em excesso, porém apresentam boa aceitação de seus derivados. O melhor é sempre seguir as orientações de médicos e nutricionistas.

10. Tomar leite depois de praticar exercícios físicos é uma boa opção.
Verdade. Um estudo realizado pela Universidade do Canadá constatou que mulheres que bebem dois copos grandes de leite por dia, após a sua rotina de musculação, ganham mais massa muscular e perdem mais gordura em comparação às mulheres que bebem energéticos.

“O leite repõe perdas da transpiração e atua no restabelecimento da hidratação”, explica Patrícia. Por isso, a bebida é uma boa opção após atividades físicas para restituir as funções normais do organismo, principalmente a versão desnatada.

11. Bebida à base de soja é tão nutritivo quanto leite de vaca.
Depende. A bebida à base de soja, se fortificada, pode conter a mesma quantidade de determinados nutrientes, quando comparado ao leite de vaca. “Mas precisamos nos atentar se os nutrientes adicionados à esta bebida são absorvidos tão facilmente quanto os presentes no leite de vaca”, lembra Maria Claudia.

De acordo com ela, isso ocorre porque, muitas vezes, o nutriente acrescentado ao produto não está na sua forma de mais fácil absorção. “Por isso, temos que consumir um maior volume da bebida à base de soja para ter os mesmos nutrientes presentes no leite comum”, completa.

12. A ingestão de leite causa puberdade precoce.
Mito. Segundo Maria Claudia, não há comprovação de que ingerir leite cause puberdade precoce. O que ela aconselha é exatamente uma alimentação com o leite presente, que é uma fonte significativa de cálcio e não deve ser eliminada durante a puberdade.

13. Ingerir leite quando se está resfriado causa aumento de muco.
Mito. Não há estudos que comprovem essa relação, de acordo com a nutricionista Adriana. “As pessoas podem confundir o espessamento temporário da saliva após a ingestão do leite com muco”, conta.

14. Pessoas com gastrite devem evitar tomar leite.
Verdade, mas depende da forma que ele é ingerido. “O consumo isolado da bebida deve ser evitado por provocar um aumento no suco gástrico para digestão dos nutrientes”, conta Maria Claudia, que aconselha ingerir o leite junto com outros alimentos.

POR LETÍCIA GONÇALVES
publicado no site MinhaVida

Ovo faz bem ou mal? Veja mitos e verdades sobre comida e coração

Ovos2

O ovo já não é mais o vilão de antes. Após uma ampla pesquisa feita na Universidade de Harvard, nos EUA, os médicos chegaram à conclusão que comer uma unidade por dia não é nenhum pecado. Até porque a proteína desse alimento é de altíssima qualidade.

No entanto, o privilégio não é para todo mundo. “Quem possui colesterol alto ou já sofreu algum evento coronariano, como infarto, deve controlar o consumo, sim”, esclarece a nutricionista Laila Ghtait. Para essas pessoas, a cota é de duas gemas por semana, que podem ser preparadas com uma quantidade maior de claras, ricas em albumina.

A especialista, uma das consultoras do livro “Comida que Cuida 3 – Receitas e histórias para você fazer as pazes com o seu coração” (faça o download gratuitamente), afirma que a carne vermelha é outro item que deve ser consumido moderadamente por quem possui fatores de risco para o coração. Mas também não adianta abolir todas as carnes do cardápio e achar que nunca mais vai ter problemas de colesterol. “Os queijos, principalmente os amarelos, também possuem gordura saturada”, lembra.

Reduzir o tamanho e a frequência do bife nas refeições é, segundo a nutricionista, a maior dificuldade dos pacientes. “Por uma questão de cultura, o brasileiro acha que a carne é o item principal do prato e não o complemento”, comenta.

Como explica o livro, a carne vermelha é rica em vitamina B, ferro e niacina, componente aliado no combate ao colesterol. A recomendação é diminuir a quantidade e limitar a frequência para três vezes por semana. Além disso, é fundamental evitar as porções fritas e tirar toda a gordura aparente.

Veja outros mitos e verdades sobre dieta e saúde do coração:

Tomar café faz mal ao coração
MITO. A cafeína estimula o funcionamento do organismo e a memória. Estima-se que alguns de seus componentes, como os ácidos clorogênicos, os quinídeos e a vitamina B3, são ótimos antioxidantes. Alguns estudos indicam até que a bebida ajude a reduzir a incidência de diabetes tipo 2. Mas não se pode abusar. Até quatro cafezinhos por dia é o limite recomendável. Quem sofre do coração, no entanto, deve consultar o médico.

Junto com o cigarro, o café vira veneno
VERDADE. O cafestol e o kahweol, substâncias encontradas no café, podem aumentar os níveis de colesterol total e do colesterol ruim, o LDL.

Carne de porco deve ser abolida da dieta
MITO. Se a carne de porco for magra, como é o caso do lombo e toda gordura aparente for retirada, não há qualquer contraindicação. Mas linguiça e bisteca, por exemplo, são carnes ricas em gordura.

Chocolate amargo traz benefícios para o coração
VERDADE. Os chocolates recheados, doces e cremosos devem ser riscados da rotina. Mas os amargos são recomendados: quatro pedacinhos de uma barra por dia ajudam a prevenir o colesterol e proteger o coração. O alimento tem fenilalanina e tirosina, dois aminoácidos ligados ao bem-estar. Além disso, os flavonóides do cacau ajudam a reduzir a pressão arterial e controlar a glicose no sangue.

Vinho tinto é ótimo para a saúde cardiovascular
VERDADE. O consumo moderado do álcool pode proteger o coração, segundo diversas pesquisas. Mas o vinho tinto, assim como o suco de uva, são ricos em flavonóides e outros antioxidantes que aumentam o bom colesterol, o HDL, e afinam o sangue. O limite considerado seguro é uma taça por dia para mulheres e duas para os homens. E atenção: quem tem nível alto de triglicérides não pode beber nada.

Tomar suco de beringela com laranja de manhã é bom para baixar o colesterol ruim
MITO. Não há nenhuma comprovação científica de que essa mistura ajude a reduzir o colesterol. O que reduz é seguir uma dieta equilibrada e saudável, com poucas gorduras, e fazer exercícios regularmente.

Óleos vegetais ajudam a reduzir o colesterol
VERDADE. O azeite extravirgem, rico em gorduras monoinsaturadas, ajudam a reduzir o colesterol ruim (LDL) sem baixar o HDL, que é bom para o coração. Outros óleos vegetais, como o de canola, e margarinas que contêm gorduras poliinsaturadas também são saudáveis. Mas lembre-se que toda fritura faz mal.

publicado no site UOL Saúde

Emagrecer com berinjela (água e farinha)

download (1) agua (1)

Emagrecer com berinjela é uma forma eficiente de perder barriga pois ela sacia a fome e ajuda na eliminação da gordura.

Tomar diariamente a água de berinjela confere fibras que vão ajudar no bom funcionamento intestinal e além disso a berinjela pode ser utilizada para para combater o mau colesterol e problemas digestivos.

Para preparar a água de berinjela para emagrecer descasque 1 berinjela e deixe de molho em 1 litro de água por toda a noite. Pela manhã, bata tudo no liquidificador, coe beba durante o dia essa água de berinjela sem adicionar açúcar.

Para emagrecer com berinjela é importante fazer o suco e ir tomando durante o dia como se fosse água. Além de hidratar a pele, este suco confere uma sensação de saciedade, diminuindo o apetite e, por isso, auxiliando em dietas de emagrecimento, além de ter um efeito redutor do colesterol ruim.

É importante saber que não basta somente beber o suco da berinjela, é preciso também cuidar da alimentação, seguindo um plano alimentar pobre em gorduras e balanceado e também fazer alguma atividade física regular para conseguir emagrecer de forma saudável e não voltar a engordar.

A farinha de berinjela para emagrecer é uma ferramenta a mais para aumentar a eficiência das dietas de emagrecimento e deve ser usada duas vezes ao dia, de manhã e à noite.

Para usar corretamente a farinha de berinjela, adicione 1 colher de sopa da farinha no prato, ao almoço e jantar por exemplo. Após a refeição, comer uma fruta cítrica potencia seu efeito emagrecedor e também redutor do colesterol mau.

A berinjela é um dos muitos alimentos funcionais que ajudam a reduzir o colesterol, diminuir as gorduras localizadas, fortalecer o coração, diminuir os riscos de diabetes e ainda tem um alto teor de fibras, que além de diminuir a fome, melhora o funcionamento dos intestinos e aumenta a disposição.

A farinha pode ser consumida em iogurtes, sucos ou misturadas em saladas, sopas, feijão e etc.

por Tatiana Zanin (Nutricionista)
publicado no site TUA SAÚDE

10 PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

alimentacao-saudavel (4)

Você não deve tentar fazer todos os passos de uma vez e também não precisa seguir a ordem. Escolha aquele que será mais útil para você e procure segui-lo todos os dias. Caso em algum dia você não consiga, não desanime, tente novamente no dia seguinte. Quando sentir que o passo já faz parte da sua rotina, então comece a tentar um outro.

Aumente e varie o consumo de frutas, legumes e verduras. Tente comer 5 porções por dia.

Coma feijão pelo menos 1 vez por dia, no mínimo 4 vezes por semana.

Reduza o consumo de alimentos gordurosos, como carnes com gordura aparente, salsicha, mortadela, frituras e salgadinhos, para no máximo uma vez por semana. Retire antes do cozimento a pele do frango, a gordura visível da carne e o couro do peixe. A digestão inicia na boca. Mastigar adequadamente os alimentos estimula a produção de saliva e mantém os alimentos em contato com a superfície da língua por mais tempo, favorecendo a percepção do sabor.

Reduza o consumo de sal e tire o saleiro da mesa. O sal de cozinha é a maior fonte de sódio da nossa alimentação. O sódio é essencial para o funcionamento do nosso corpo, mas o excesso pode levar ao aumento da pressão do sangue, que chamamos de hipertensão.

Faça pelo menos três refeições e um lanche por dia. Não pule as refeições. Para lanche e sobremesa prefira frutas. Evite “beliscar”, isto vai ajudar você a controlar o peso.

Reduza o consumo de doces, bolos, biscoitos e outros alimentos ricos em açúcar para no máximo duas vezes por semana.

Reduza o consumo de álcool e refrigerantes. Evite o consumo diário. A melhor bebida é a água!

Aprecie a sua refeição. Coma devagar. Faça das refeições um ponto de encontro da família. Não se alimente assistindo TV.

Mantenha seu peso dentro de limites saudáveis – controle o seu IMC (entre 18,5 e 24,9 kg/m 2). O IMC (Índice de Massa Corporal) mostra se o seu peso está adequado para a sua altura. Calcule o seu IMC

Seja ativo. Acumule 30 minutos de atividade física todos os dias. Caminhe pelo seu bairro. Suba as escadas. Não passe muitas horas assistindo TV.

Publicado no site da ANS

Os sintomas de estresse: efeitos em seu corpo e comportamento

estressada muito

Sintomas de estresse podem afetar sua saúde, mesmo que você não tenha percebido. Você pode pensar que a doença é a culpa por essa dor de cabeça lancinante, sua insônia freqüente ou sua diminuição da produtividade no trabalho. Mas o estresse pode realmente ser o culpado.

Efeitos comuns de estresse

De fato, os sintomas de estresse podem afetar seu corpo, seus pensamentos, sentimentos e seu comportamento. Ser capaz de reconhecer os sintomas comuns de estresse pode te dar um salto em gerenciá-los. Estresse que é deixado de lado pode contribuir para problemas de saúde, tais como pressão arterial elevada, doença cardíaca, obesidade e diabetes.

Ato de gerir o estresse

Se você tiver sintomas de estresse, dar os passos corretos para gerenciar seu estresse pode ter inúmeros benefícios para a saúde. Explore estratégias de gerenciamento de estresse, tais como:

- Atividade física
- Técnicas de relaxamento
- Meditação
- Ioga
- Tai chi

E não se esqueça de dormir, comer uma dieta equilibrada e evitar o uso de tabaco e ingestão excessiva de álcool e cafeína.

Quando procurar ajuda

Se você não tiver certeza se o estresse é a causa, ou se você tomou medidas para controlar o seu estresse, mas continuam os sintomas, consulte seu médico. Seu médico pode querer verificar para outras causas potenciais.

Além disso, se você tem dor no peito, especialmente se isso ocorre durante a atividade física ou é acompanhado de falta de ar, sudorese, tonturas, náuseas ou dor irradiando para o ombro e o braço, obtenha ajuda de emergência imediatamente. Estes podem ser sinais de alerta de um ataque cardíaco e não simplesmente sublinhar os sintomas.

publicado no site INDICE SAUDE

Pipoca: um estouro em antioxidantes e fibras

pipoca-m

Estudo recém-saído do forno – ou seria da panela? – mostra que esse verdadeiro blockbuster das sessões de cinema concentra mais certos antioxidantes do que frutas e verduras. Sem contar a quantidade de fibras

Um punhado de milho, um fiozinho de óleo e uma panela no fogo… Voilà! Bastam alguns minutos – e muitos “pops” – para a combinação resultar em massas brancas, pequenas e bem macias. É a famosa pipoca. Vira e mexe no centro de acaloradas discussões, ela costuma ser acusada de ser um tanto quanto traiçoeira para a saúde. A presença de gordura e o fato de nos incentivar a extrapolar nas pitadas de sal estão entre as principais queixas. No que depender da ciência, entretanto, a má fama está com os dias contados.

É que, se preparada corretamente – não vale apelar para a praticidade da versão de micro-ondas -, ela é uma explosão de benefícios, informação reforçada por um estudo recente da Universidade de Scranton, nos Estados Unidos. Segundo o time de cientistas, pasme, a pipoca reúne mais certos antioxidantes do que uma porção de frutas e verduras. Ou seja: ela seria uma aliada ardilosa na guerra contra os radicais livres, aquelas moléculas instáveis e perigosas que atacam as células e provocam desastres que vão de envelhecimento precoce a câncer. “Isso se deve à diferença entre a quantidade de água encontrada na pipoca, que é de 3 a 5%, e a detectada nos vegetais, que chega a 90%”, informa Joe Vinson, líder do trabalho. Na prática, esses valores referentes à umidade revelam que no subproduto do milho os compostos fenólicos – benditos antioxidantes! – ficariam concentrados, enquanto nas outras classes alimentares eles apareceriam mais diluídos. “A pipoca é o único snack formado 100% pelo grão. Já os antioxidantes encontrados em outros produtos à base de sementes integrais, por exemplo, são removidos ou sofrem degradação durante o processamento.”

Só para você saber – e não morrer mais de raiva -, as substâncias protetoras da saúde estão na casca, aquela capa que teima em ficar agarrada nos dentes. E, se o milho que levar para casa der origem a uma pipoca naturalmente amarela ou creme, bingo! Sinal de que a parte fofinha do alimento é ainda fonte de carotenoides. “Essas substâncias também atuam como antioxidantes e, no corpo, são convertidas em vitamina A”, ensina a cientista de alimentos Maria Cristina Dias Paes, da Embrapa Milho e Sorgo, em Sete Lagoas, no interior de Minas Gerais. A transformação é ótima para o sistema imunológico e para os olhos, que ficam blindados contra degeneração macular relacionada à idade.

Apesar de grudenta, a casca da pipoca está cheia de atributos. Afinal, nela também estão doses generosas de fibras, substâncias que contribuem para a formação do bolo fecal. “Para eliminá-lo com maior facilidade, é necessário aumentar o consumo de água”, lembra a nutricionista Viviane Piatecka, do Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região. O melhor é que o papel das fibras não fica restrito a dar um empurrão ao funcionamento do intestino. Elas também são reverenciadas por tornar a digestão mais lenta, prolongando, assim, a sensação de barriga forrada – uma vantagem e tanto para quem quer derrubar o ponteiro da balança.

Já na parte fofa e geralmente branca dessa pequena notável fica guardado outro amigão do organismo: o amido resistente. O nome, convém dizer, não foi dado à toa. Isso porque ele passa praticamente intacto pelo aparelho digestivo. Só no intestino grosso é que micro-organismos da flora o transformam em ácidos graxos de cadeia curta. “Eles deixam a área mais ácida, favorecendo a proteção contra células cancerosas. Por isso, o consumo de amido resistente tem sido associado à redução do risco de tumores no órgão”, detalha Maria Cristina, da Embrapa.

Mas não vá achando que o sinal está verde para se entupir com a pipoca vendida no cinema ou a industrializada para micro-ondas. Essas são justamente as que merecem estar no banco dos réus – os motivos você conhece nos quadros à direita. O recomendado para se beneficiar das qualidades do alimento é prepará-lo na boa e velha panela, com só um pouquinho de óleo para não formar uma verdadeira bomba calórica. Se desejar, a gordura pode até ficar de fora da receita. “É só colocar uma porção de milho em um saquinho como aqueles para pão e vedá-lo na ponta. Depois, deixe por alguns minutos no micro-ondas”, instrui Eduardo Sawazaki, pesquisador do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), no interior paulista. Está aí um lanche para ninguém botar defeito.

slide-pipoca-01 slide-pipoca-02

por Thaís Manarini | design Fernanda Didini e Laura Salaberry
Fotos Alex Silva | ilustrações Thiago Almeida