Obesidade infantil – Como os pais podem ajudar?

Ops-sem-exageros

Se a criança ou adolescente está acima do peso, sofre preconceito e pressão na escola, dos amigos e no próprio ambiente familiar, através dos irmãos e mesmo dos pais. É comum os avós contrariarem as orientações dos pais, apoiando o consumo de alimentos calóricos e os irmãos atribuírem apelidos.

Os pais podem ajudar da seguinte forma:

a) Companheirismo

- Procure ser mais companheiro das crianças, reservando pelo menos uma hora do dia para dedicar-se apenas aos seus filhos;

- Fazer atividades físicas ao ar livre junto com seu filho ajuda bastante. Tente jogar bola, andar de bicicleta, fazer um passeio no parque;

- Algumas brincadeiras, mesmo dentro de casa podem ajudar, como pular, dançar, ou mesmo aqueles jogos, tipo tapetes, em que a criança e os pais devem pisar no quadradinho certo, obedecendo ao ritmo de uma música.

b) Atividade física

- Matricular a criança em algum esporte. Isto ajuda a melhorar a aptidão física e a auto-estima. Crianças muito obesas poderão ter dificuldade, ou mesmo vergonha. Talvez possam começar com atividades recreativas e caminhadas, preferencialmente acompanhadas dos pais. Após uma pequena redução no peso, a criança melhora a auto-estima e a aptidão, estando preparada para enfrentar desafios maiores, como um esporte individual ou coletivo.

c) Alimentação da família

- A alimentação da família deve ser adequada àquilo que a criança deve comer. Nenhuma criança tem necessidade de guloseimas, salgadinhos, balas, doces, sorvetes, fast-food, refrigerantes sucos artificiais. Esses ítens podem ser esporádicos. Ter firmeza e argumentar em favor da saúde é uma saída, inclusive quando existe na mesma família uma criança magra. Por outro lado, toda criança necessita, para o seu desenvolvimento, de frutas, verduras, carne, leite e ovos, pois a falta de nutrientes pode gerar doenças. Aqui entra a questão do limite, tão importante para a criança quanto difícil para alguns pais. Ser permissivo nesse quesito pode significar a diferença entre a saúde e a doença, entre a adequação e a eterna busca pelo peso ideal.

d) Percepção de saciedade

- Culpar a criança por consumir uma quantidade ou tipo de alimento inadequado não resolve. Se a criança toma refrigerante é porque alguém comprou. Por outro lado, se ela come uma quantidade excessiva de alimentos é porque não consegue perceber quando está saciada.

- Os pais podem ajudar:

Solicitar que o pequenino faça uma pausa após consumir determinada quantidade de alimento;
Pedir que respire bem fundo e calmamente, pelo menos por 3 vezes;
Colocar levemente as mãos sobre o estômago;
Fechar os olhos e tentar perceber o quanto o estômago dele está cheio ou vazio;
Se a criança julgar que ainda tem fome, pode comer um pouquinho mais e repetir o procedimento.
A repetição desta estratégia faz com que a criança perceba, ao longo do tempo, quando o estômago está cheio. O ideal é parar de comer antes que fique completamente cheio.

Deve ser explicado que, assim, o estômago não aumenta de tamanho e são evitadas dores estomacais, azia e mal-estar por comer demais.

e) Determinação de horários

Depois de todo o exposto acima, fica fácil apontar onde estão os erros que levararm ao excesso de peso. Inicialmente, toda criança, ou mesmo adulto, necessita de uma certa dose de disciplina. E não existe disciplina sem horário.

- Determinar os horários de dormir e acordar, seguindo as recomendações de cada faixa etária, é o primeiro passo para uma vida saudável.

- Posteriormente os horários das refeições devem ser ajustados. É impossível realizar uma reeducação alimentar sem horários determinados. A criança deve fazer 3 refeições por dia e de 2 a 3 lanchinhos nos intervalos, comendo a cada 3 horas aproximadamente;

- O tempo dedicado à televisão, vídeo game e computador deve ser limitado a 2 ou 3 horas por dia;

- Reservar, no mínimo, 1 hora por dia para atividades físicas;

- E o restante do tempo deve ser para brincar com outras crianças.

A importância do desjejum

O desjejum é talvez a refeição mais importante, pois é o momento em que o organismo mais necessita de energia, já que tem o dia todo para gastá-la. Por outro lado, é a refeição mais negligenciada, em função da pressa e porque a maioria das pessoas não sente fome pela manhã.

A inversão dos horários de sono leva também a inversão nos horários de fome. Os adultos e mesmo as crianças ficam, até tarde, na frente da televisão e do computador e acabam sentindo fome. Comem e vão dormir. Claro que essa refeição não foi gasta, levando-os a engordar. Consequentemente, não sentem fome pela manhã. Acordam em cima da hora e vão correndo para as suas atividades.

Ano após ano o ciclo se repete, contribuindo cada vez mais para a obesidade. Inverter esse hábito é difícil, mas deve ser iniciado com a redução gradual dos alimentos no horário da noite e a introdução gradativa do desjejum, até que o hábito se fixe. A realização do desjejum, o parcelamento das refeições em 5 a 6 por dia e a redução do hábito de comer noturno, contribuem para um metabolismo mais saudável, com maior gasto de energia, mesmo que o consumo de calorias permaneça igual.

Fonte: Livro Obesidade Infantil

Como evitar a compulsão alimentar?

15 compulsao alimentar 4545

A compulsão alimentar é caracterizada pelo consumo de alimentos em quantidade e velocidade maiores do que a maioria das pessoas conseguiria comer em uma mesma situação, associado à sensação de perda de controle e seguido por sentimento de culpa.

Como consequência desses episódios, muitas pessoas acabam ganhando peso, já que a quantidade de calorias ingeridas acaba sendo excessiva.

Assustadas e sem controle, pessoas que sofrem de compulsão alimentar, acabam recorrendo a todo e qualquer tipo de dieta, que quase sempre fracassam e agravam ainda mais o quadro de compulsão.
Alguns cuidados básicos com a alimentação podem ser tomados para evitar ou diminuir os episódios de compulsão. A seguir, segue 5 dicas.

- Comece se conhecendo melhor. Muitas vezes o ato de comer é tão automático e inconsciente que não percebemos quanto, o que e porque comemos. Faça um diário alimentar, anotando todos os alimentos comidos e sentimentos relacionados.

- Não fique muito tempo sem se alimentar. Longos períodos de jejum dificultam a escolha alimentar, fazendo com que a pessoa prefira doces e gorduras, podendo desencadear um episodio de compulsão.

- Não faca dietas muito restritivas, como a dieta da proteína ou cortar alguma refeição por exemplo. A restrição total de um alimento pode gerar obsessão por ele e compulsão. Além de que, dietas assim podem causar irritabilidade e mal humor que podem desencadear a compulsão alimentar.

- Invista em uma atividade física prazerosa. Isso auxilia a diminuir a ansiedade e aumentar o bem estar.

- Inclua na sua rotina alimentar alimentos fonte de triptofano, magnésio e vitamina B6 como a banana, aveia, oleaginosas (nozes, castanhas…), ovos e o chocolate amargo. Esses nutrientes participam do processo de produção da serotonina, melhorando a sensação de bem estar.

Paula Hauben

Dra. Paula Hauben
Nutricionista
paula.hauben@gmail.com

TAPIOCA NO LUGAR DO PÃO

0tapioca-no-lugar-do-pao-1

Quem ama pão tem dificuldade de cortar esse item do cardápio – motivo para que muita gente desista do sonho de entrar num jeans justinho. Mas existem alternativas gostosas e menos engordativas a esse alimento. Uma delas é a tapioca – uma panqueca típica da Região Norte do Brasil que virou moda na turma da dieta, pois oferece quase a metade das 135 calorias do pãozinho. Outra vantagem: “Feita com a fécula extraída da mandioca (também chamada de goma de tapioca), ela é livre de glúten – proteína do trigo acusada de deixar o organismo inflamado e propenso a acumular gordurinhas”, diz Flavia Cyfer, nutricionista do Rio de Janeiro. Mas troque os recheios típicos (carne-seca, coco, leite condensado) por opções mais leves e ricas em fibras, que ajudam a reduzir o índice glicêmico da massa. Assim, a tapioca fica perfeita para quem quer perder peso ou não deseja engordar.

Massa leve
O ideal é preparar a tapioca em casa. Assim, você controla a espessura da massa e seleciona melhor os ingredientes do recheio. Compre a goma de tapioca já hidratada (existem algumas versões nos supermercados), peneire e use duas colheres de sopa, com uma pitada de sal, para preparar uma tapioca com cerca de 70 calorias. Esquente uma frigideira antiaderente pequena e, com a ajuda de uma peneira, espalhe a goma até cobrir todo o fundo. Doure dos dois lados, coloque o recheio sobre a massa ainda quente e dobre. Sirva em seguida. Os recheios salgados e doces sugeridos (veja abaixo) pela nutricionista Flavia Cyfer combinam com o café da manhã ou transformam a tapioca em uma opção de refeição completa – basta servi-la com uma salada de folhas.

Café da manhã
• Queijo cottage + tomate picado + azeite e sal
• Peito de peru + queijo branco + orégano
• Mussarela light + geleia diet
• Banana aquecida no micro-ondas + canela em pó
• Morango picado + 30 g de chocolate 70% cacau derretido

Almoço ou jantar
• Tirinhas de peito de frango grelhado + mussarela light + tomate picado + manjericão fresco + azeite e sal
• Ovo mexido + seleta de legumes
• Queijo cottage + cubos de peito de peru + salsa picada + azeite + pouco sal

Eliane Contreras
Site BOA FORMA

SOBRE EMAGRECIMENTO

302746_549237491758274_1176804689_n

Acelerar o metabolismo. Esta expressão entrou de vez no dicionário dos endocrinologistas, pois é uma maneira de tornar o processo do emagrecimento mais estável .As diferenças de metabolismo entre as pessoas explica porque uma pessoa magra que come muito não engorda. O organismo dela possui taxa metabólica elevada, ou seja, queima calorias mais rápido que outra que come a mesma quantidade de calorias diariamente e engorda. Por isso é que não se deve seguir a dieta da amiga ou do colega e nem se deve acreditar em fórmulas milagrosas. Cada pessoa deve encontrar a melhor forma de reeducar a alimentação para manter o peso saudável e a saúde em dia e procurar um especialista.

A variação da taxa metabólica é influenciada por várias fatores como idade (quanto mais velho, mais lento), por sexo, homens por exemplo, tem o metabolismo mais rápido, questões genéticas, alimentação e prática de exercícios. Afinal, cerca de 70% da energia produzida por nosso corpo é utilizada no metabolismo basal e 10% é utilizada no processo natural de metabolização dos alimentos.

A intolerancia alimentar emperra o metabolismo, prejudica o emagrecimento e causa edema . Alem disso um outro fator que também pode ajudar a TURBINAR o emagrecimento é a aplicacao semanal de enzimas lipoliticas semanal em mesoterapia e o aumento do fluxo de oxigênio para o tecido gorduroso através da carboxiterapia , pois o oxigênio é o responsável direto pela queima de gordura . O metabolismo é mensurado pelo consumo de oxigênio.

Para acelerar o metabolismo o primeiro passo é comer de três em três horas. Assim, seu corpo vai recebendo a informação e lembrando que tem que trabalhar mais rápido. Quem acha que para emagrecer deve ficar horas sem comer está totalmente enganado, afirma o endocrinologista Tércio Rocha. “Comendo pouco e várias vezes ao dia os seu hormônios ficam controlados, você reduz o apetite para a próxima refeição, melhora a digestão, o funcionamento intestinal e ainda queima mais calorias’.

Os alimentos termogênicos, ou seja, aqueles que produzem mais energia para serem metabolizados do que o número real de calorias que eles possuem – como por exemplo a pimenta, o gengibre, o chá verde, a mostarda, a laranja, a cafeína e até a água gelada – ajudam a aumentar o metabolismo, mas somente eles não resolvem a questão. Na verdade, a alimentação pobre em gorduras (que cansa o metabolismo), rica em fibras (que faz o processo de limpeza), fracionada em até sete refeições e equilibrada é que fazem este efeito’ lembra o médico ‘Experimente comer mais frutas e verduras, líquidos, comer mais sementes e grãos’, recomenda Tércio Rocha.

É muito importante a determinação na dieta, e inserir mais alimentos saudáveis, melhorar a qualidade de hidratação do organismo e investir em exercícios físicos para gastar toda esta energia que fica estocada e acaba se transformando em pneuzinhos desagradáveis.

Dr. Tercio Rocha
Médico

Pipoca: um estouro em antioxidantes e fibras

pipoca-m

Estudo recém-saído do forno – ou seria da panela? – mostra que esse verdadeiro blockbuster das sessões de cinema concentra mais certos antioxidantes do que frutas e verduras. Sem contar a quantidade de fibras

Um punhado de milho, um fiozinho de óleo e uma panela no fogo… Voilà! Bastam alguns minutos – e muitos “pops” – para a combinação resultar em massas brancas, pequenas e bem macias. É a famosa pipoca. Vira e mexe no centro de acaloradas discussões, ela costuma ser acusada de ser um tanto quanto traiçoeira para a saúde. A presença de gordura e o fato de nos incentivar a extrapolar nas pitadas de sal estão entre as principais queixas. No que depender da ciência, entretanto, a má fama está com os dias contados.

É que, se preparada corretamente – não vale apelar para a praticidade da versão de micro-ondas -, ela é uma explosão de benefícios, informação reforçada por um estudo recente da Universidade de Scranton, nos Estados Unidos. Segundo o time de cientistas, pasme, a pipoca reúne mais certos antioxidantes do que uma porção de frutas e verduras. Ou seja: ela seria uma aliada ardilosa na guerra contra os radicais livres, aquelas moléculas instáveis e perigosas que atacam as células e provocam desastres que vão de envelhecimento precoce a câncer. “Isso se deve à diferença entre a quantidade de água encontrada na pipoca, que é de 3 a 5%, e a detectada nos vegetais, que chega a 90%”, informa Joe Vinson, líder do trabalho. Na prática, esses valores referentes à umidade revelam que no subproduto do milho os compostos fenólicos – benditos antioxidantes! – ficariam concentrados, enquanto nas outras classes alimentares eles apareceriam mais diluídos. “A pipoca é o único snack formado 100% pelo grão. Já os antioxidantes encontrados em outros produtos à base de sementes integrais, por exemplo, são removidos ou sofrem degradação durante o processamento.”

Só para você saber – e não morrer mais de raiva -, as substâncias protetoras da saúde estão na casca, aquela capa que teima em ficar agarrada nos dentes. E, se o milho que levar para casa der origem a uma pipoca naturalmente amarela ou creme, bingo! Sinal de que a parte fofinha do alimento é ainda fonte de carotenoides. “Essas substâncias também atuam como antioxidantes e, no corpo, são convertidas em vitamina A”, ensina a cientista de alimentos Maria Cristina Dias Paes, da Embrapa Milho e Sorgo, em Sete Lagoas, no interior de Minas Gerais. A transformação é ótima para o sistema imunológico e para os olhos, que ficam blindados contra degeneração macular relacionada à idade.

Apesar de grudenta, a casca da pipoca está cheia de atributos. Afinal, nela também estão doses generosas de fibras, substâncias que contribuem para a formação do bolo fecal. “Para eliminá-lo com maior facilidade, é necessário aumentar o consumo de água”, lembra a nutricionista Viviane Piatecka, do Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região. O melhor é que o papel das fibras não fica restrito a dar um empurrão ao funcionamento do intestino. Elas também são reverenciadas por tornar a digestão mais lenta, prolongando, assim, a sensação de barriga forrada – uma vantagem e tanto para quem quer derrubar o ponteiro da balança.

Já na parte fofa e geralmente branca dessa pequena notável fica guardado outro amigão do organismo: o amido resistente. O nome, convém dizer, não foi dado à toa. Isso porque ele passa praticamente intacto pelo aparelho digestivo. Só no intestino grosso é que micro-organismos da flora o transformam em ácidos graxos de cadeia curta. “Eles deixam a área mais ácida, favorecendo a proteção contra células cancerosas. Por isso, o consumo de amido resistente tem sido associado à redução do risco de tumores no órgão”, detalha Maria Cristina, da Embrapa.

Mas não vá achando que o sinal está verde para se entupir com a pipoca vendida no cinema ou a industrializada para micro-ondas. Essas são justamente as que merecem estar no banco dos réus – os motivos você conhece nos quadros à direita. O recomendado para se beneficiar das qualidades do alimento é prepará-lo na boa e velha panela, com só um pouquinho de óleo para não formar uma verdadeira bomba calórica. Se desejar, a gordura pode até ficar de fora da receita. “É só colocar uma porção de milho em um saquinho como aqueles para pão e vedá-lo na ponta. Depois, deixe por alguns minutos no micro-ondas”, instrui Eduardo Sawazaki, pesquisador do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), no interior paulista. Está aí um lanche para ninguém botar defeito.

slide-pipoca-01 slide-pipoca-02

por Thaís Manarini | design Fernanda Didini e Laura Salaberry
Fotos Alex Silva | ilustrações Thiago Almeida

Entenda porque sentimos mais fome no inverno

size_590_dv2014048

No inverno nosso corpo gasta mais energia para manter a temperatura estável e, para compensar essa perda energética, precisamos consumir mais calorias

Você já reparou que a chegada do frio no inverno é quase sempre acompanhada por um aumento do nosso apetite? É comum sentirmos que a fome cresce nessa época do ano e diminui no verão. Além disso, com o frio, parece que temos vontade de comer alimentos mais calóricos e gordurosos, não é mesmo? Quem trocaria, no inverno, um fondue de carne, queijo ou chocolate por uma saladinha com arroz integral e um grelhado? Realmente é uma troca difícil.

Essas sensações podem, em parte, ser explicadas pela ciência. No inverno nosso corpo gasta mais energia para manter a temperatura estável e, para compensar essa perda energética, precisamos consumir mais calorias. Porém, se não tomarmos cuidado, corremos o risco de exagerar e, como consequência, terminar o inverno com alguns quilinhos extras e os exames de colesterol alterados.

Isso foi o que mostrou um estudo realizado em Campinas (SP), que acompanhou 227 mil indivíduos, entre 2008 e 2010. Os pesquisadores verificaram que os níveis de colesterol “ruim” (LDL) aumentavam significativamente no inverno e diminuíam no verão. Entre as possíveis explicações para esse fato estão que, no inverno, ocorre:

1. A mudança dos hábitos alimentares, com um aumento do consumo de alimentos gordurosos que podem elevar o colesterol “ruim”;

2. A diminuição da prática de atividade física, já que no frio as pessoas tendem a se exercitar menos;

3. A diminuição da exposição ao sol, que diminui os níveis de Vitamina D, podendo afetar indiretamente os níveis de colesterol.

Todos esses comportamentos acabam se enquadrando como fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e diabetes.

Para evitar esses problemas relacionados à chegada do inverno devemos tomar alguns cuidados especiais. Várias estratégias podem ser utilizadas para se sair bem na estação mais fria do ano.

Confira 5 dicas práticas da nutricionista da Sanavita Michelle Douek que irão te ajudar:

- Se está difícil comer aquela salada fria, que é tão apetitosa no verão, experimente preparar sopas com legumes e verduras cozidos, evitando, é claro, a adição de ingredientes gordurosos como creme de leite.

- Com a fruta o raciocínio é parecido. Se a forma crua não está agradando, uma boa alternativa é cozinhá-las no micro-ondas ou no vapor, e consumi-las quentinhas.

- Quando optar por uma bebida apenas para se esquentar, prefira chás ao invés de chocolate quente.

- Para acompanhar o lanche, uma boa opção é aproveitar as bebidas à base de colágeno. Por serem ricas em proteínas, elas prolongam a sensação de saciedade, podendo contribuir para o controle do peso.

- Não deixe o inverno atrapalhar a sua prática de atividades físicas. Elas são ótimas para o controle do peso, para a saúde em geral e, ainda, ajudam a esquentar o corpo nessa época mais fria.

publicado na EXAME Online

Perca 3kg em um mês!

302746_549237491758274_1176804689_n

Fazer uma dieta com um cardápio supervariado é a maneira mais fácil (e prazerosa) de entrar na forma desejada. E que tal reduzir o peso em até 3 kg, isso sem muito esforço? E o melhor: você ainda poderá montar suas próprias refeições rapidinho, sem ter muito trabalho.

Toda essa facilidade é encontrada nessa dieta – que é ideal para quem mora sozinha ou tem pouco tempo para desperdiçar com o preparo das refeições diárias.

Praticidade

Para fazer essa dieta você precisa apenas ter um freezer e um microondas (que podem ser substituídos pelo congelador da geladeira e pelo forno convencional).

Mas tenha atenção ao fazer as substituições das refeições diárias. É preciso entender que elas devem ser realizadas pelas mesmas mercadorias (de sabores variados) ou pelos mesmos grupos de alimentos.

Um exemplo? Se o café da manhã deve ser feito com um shake pronto de morango, você pode efetuar a troca por outro sabor como baunilha, ou até por um capuccino pronto. Cabe a você ter o bom senso de não escolher produtos altamente calóricos e sabotar a sua própria dieta.

Uma dica para desacelerar a fome é sempre fazer pequenos lanches de manhã e à tarde. O da manhã precisa ser realizado de duas a três horas antes do almoço. Já o da tarde deve ser feito de três a quatro horas antes do jantar.

Produtos de qualidade

Rotina é uma palavra que não faz parte dessa dieta – o que ajuda você a não enjoar com o passar dos dias. Toda diversificação fica por conta da variedade no cardápio que é baseado em alimentos prontos ou congelados como peixes, carnes, frangos, ervilha, brócolis, entre outros.

A indústria alimentícia do Brasil é extremamente boa e com alto padrão de qualidade e todos os produtos congelados vendidos por aqui geralmente possuem alto teor nutritivo, por isso não há com o que se preocupar.

Contas mágicas

Para que o programa dê certo é importante você não ultrapassar o valor calórico das refeições que, no final do dia devem totalizar, no máximo, 1500 calorias. Veja a seguir como as calorias devem ser divididas durante o dia:

CAFÉ DA MANHÃ

200 calorias

LANCHE DA MANHÃ

250 calorias

ALMOÇO

400 calorias

LANCHE DA TARDE

250 calorias

JANTAR

400 calorias

Cardápio diário básico
AO ACORDAR:

copo de água

CAFÉ DA MANHÃ:

1 copo (300ml) de suco de fruta light

1 fatia de pão diet

2 fatias de peito de peru

LANCHE DA MANHÃ:

1 shake com o sabor de sua preferência (pronto)

1 barra de cereal de qualquer sabor

ALMOÇO:

salada mista com brócolis, milho verde e alface (temperada com azeite) à vontade

1 porção de lasanha bolonhesa congelada

1 copo (300ml) de mate adoçado com adoçante ou suco light pronto

LANCHE DA TARDE:

1 pão-arabe

2 fatias de queijo-de-minas

2 fatias de presunto de frango

JANTAR:

1 filé a parmegiana congelado

4 colheres (sopa) de arroz pronto

legumes à vontade

Toques importantes

Sempre olhe a quantidade calórica dos produtos que está adquirindo.

Mantenha a sua dieta em apenas 1500 calorias diárias.

Não acumule refeições (pulando uma delas para comer mais na próxima).

Respeite a quantidade de calorias de cada refeição. Caso passe um pouquinho em uma refeição, compense na próxima.

Aprenda a ser pontual com as refeições para manter a regularidade da dieta.

Nas entradas (almoço e jantar) coma saladas de legumes e verduras.

Todos os alimentos congelados estão liberados. Mas use o bom senso e escolha os menos calóricos.

Nunca é demais lembrar da importância de se praticar uma atividade física. Escolha aquela que mais lhe agradar.

Dr Tercio Rocha 11 mini

Dr. Tercio Rocha
Médico

Como evitar a fome noturna

5yhe336sa8eftfvn0thf1ta20

Quando já está em casa, relaxando o corpo no sofá, o desejo, por vezes, é incontrolável. A compulsão esporádica de alguém que tem poucos dramas com a balança – apenas uma oscilação normal de peso – é um problema quase generalizado. Segundo os especialistas, de fato, é muito mais difícil segurar as rédeas do regime à noite.

Embora a indisciplina em tal período seja elevada, o ataque à geladeira no cair da noite reflete a sequência de erros feitos durante o dia, endossa o nutricionista esportivo Marcelo Ferreira.

“Quando a fome é voraz, sinaliza que o organismo está carente, pobre em nutrientes. Na maioria das vezes, o excesso de restrição durante o almoço e a baixa qualidade das refeições, são os grandes responsáveis pela compulsão alimentar durante a noite.”

O especialista explica que o jejum prolongado é extremamente prejudicial, e dá a falsa sensação de emagrecimento. A carência é acumulativa e se transforma em catastrófica ao final do dia.

“O organismo pede, não aguenta mais. Já ficou mais de 10 horas sem combustível. ”

Segundo Ferreira, embora o metabolismo trabalhe mais lentamente após as 18 horas, o jantar deve ser uma refeição tão completa quanto o almoço. A recomendação oficial é que o almoço tenha 35% do valor energético e o jantar 20%. Comidas pesadas devem ser banidas, mas carboidratos e proteínas também são fundamentais.

“Acreditar que a ausência do carboidrato à noite ajuda a perder gordura é um mito sem nenhum fundamento. Podemos comer de tudo, desde que moderadamente. Até de gorduras boas o organismo precisa. Lógico que evitar uma massa com molhos muito calóricos, ou pratos pesados é sempre prudente. A digestão é mais lenta, pode até comprometer a qualidade do sono.”

Ana Priscilla Soggia, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, revela: enquanto esse comportamento de voracidade noturna for esporádico, consequência de um dia estressante, corrido, não há temor. Na avaliação da especialista, é preciso apenas reestruturar os horários da alimentação, e aumentar o número de refeições ao longo do dia.

O problema ganha contornos de síndrome quando é frequente e exagerado. “Na síndrome da fome noturna, o paciente só consegue dormir depois de ingerir mais de duas mil calorias. Alguns acordam durante a madrugada com necessidade de comida. Nesses casos, é preciso acompanhamento profissional, medicamentoso e terapêutico.”

Ingerir alimentos ricos em proteínas três horas antes do jantar minimiza o possível estrago noturno. O nutriente é digerido lentamente e emite, ao longo do processo, a mensagem de saciedade ao cérebro.

“O organismo demora muito mais tempo para dar sinal de fome após a ingestão de proteínas. Os lanches das redes americanas de fast-food são pobres nesse nutriente. É por isso que sentimos fome em menos de três horas após uma refeição a base de hambúrguer e batata frita.”

publicado no site IG Saúde por Lívia Machado

COMER PÃO TODO DIA ENGORDA?

Po_francs1

O que faz uma pessoa engordar são os maus hábitos alimentares, o excesso e o sedentarismo. O pão pode ser consumido diariamente desde que na quantidade adequada, e você pode preferir opções mais saudáveis que farão bem para você.

O carboidrato, grupo alimentar em que o pão pertence deve ser consumido diariamente, este nutriente é a base da nossa alimentação, pois fornece energia para que possamos realizar as atividades do dia a dia. É errado pensar que para emagrecer é preciso excluir o carboidrato da alimentação, o correto é não exceder na quantidade. Por isso não é preciso deixar de comer pão.

Quando integral, o pão tem vantagens em relação ao pão branco, pois possui fibras em sua composição, que além de colaborar com o bom funcionamento do intestino e ajudar no controle do colesterol e glicemia, proporciona uma maior saciedade. O pão mais escuro é normalmente o melhor, pois a farinha é menos processada, tendo por isso, mais nutrientes benéficos para a saúde.

Torrada ou pão, o que tem menos calorias?
Embora com maior quantidade de calorias, os pães muitas vezes são mais saudáveis e engordam menos que os biscoitos e torradas. Considerando que você consuma a mesma quantidade de ambos, geralmente os biscoitos e torradas tem menor quantidade de fibras e mais de gordura, além dos pães saciarem mais do que os biscoitos e as torradas.
Em questão de calorias, 1 pão francês equivale em média a 5 unidades de biscoito água e sal ou 3 torradas.

Glúten prejudica o emagrecimento?
O glúten é uma proteína encontrada nos cereais (trigo, centeio, aveia e cevada) e está presente no pão. Devido a esta proteína que o pão fica fofinho. É obrigatório conter no rótulo que o alimento contém glúten, porque algumas pessoas tem alergia a essa proteína, conhecida como doença celíaca. No momento não há nada comprovado cientificamente de que o glúten prejudique pessoas que não possuem a doença celíaca.

O miolo engorda mais que a casca?
O miolo possui uma maior concentração de água e ar, enquanto a casca possui menos água e mais nutrientes. Tanto o miolo quanto a casca engordam praticamente a mesma coisa. Fique atento com o que você vai passar no pão, isso é mais importante do que se preocupar em tirar o miolo.

publicado no site VILAMULHER

AÇAÍ ENGORDA?

acai-tigela

A aparência não é das melhores – à primeira vista é apenas um mingau roxo, quase preto. Quem nunca provou pode até fazer cara feia ao ver uma tigela de creme de açaí. Mas, com raras exceções, é só levar a colher à boca para a primeira impressão se desfazer.

Creme de açaí na tigela pode não ser uma delícia dos deuses – mas vicia, no bom sentido.
Não é à toa que essa fruta típica do norte do país, praticamente desconhecida no sul até poucos anos atrás, tornou-se um verdadeiro fenômeno no Rio, São Paulo e Brasília. Para dar um exemplo da açaímania: uma lanchonete paulista, sugestivamente, batizada com o nome da fruta, pouco mais de um ano após ser inaugurada, passou a vender por mês nove toneladas de polpa de açaí. A fruta vem do norte em barras congeladas, que são batidas no liquidificador com um pouco de água e outros ingredientes – é para comer de colher, numa tigela.

Bem o gosto desse mingau pode até ser discutível, mas o que o consagrou entre a geração de saúde são seus atributos energéticos, que até os nutricionistas reconhecem. O açaí seria uma fantástica fonte de energia e de vitaminas.

Tudo começou no Rio de Janeiro, sendo a Barraca do Pepê o epicentro do fenômeno. Atletas, marombeiros e surfistas logo se viciaram naquela pasta roxa misturada com xarope de guaraná e eventualmente com pedaços de babana ou outras frutas. Depois, foram as academias de ginástica e em seguida as ruas, bares e lanchonetes. A frutinha que quase ninguém conhece em seu formato original – parecida com o grão de café – definitivamente entrava na rotina nutricional dos jovens do Rio e em seguida de São Paulo. Logo surgiram nas duas cidades points de encontro em torno do açaí da tigela, “temperado”com flocos de granola e uvas passa, sempre muito, muito gelado mesmo, lembrando um sorvete. Uma opção mais light é o suco, mas sem o mesmo apelo do creme na tigela.

Quem espera encontrar no açaí uma fruta doce e saborosa pode se decepcionar – mesmo porque provar o açaí como ela foi colhida no pé é missão quase impossível. Ela chega aqui em forma de polpa congelada. Mas o creme natural da fruta misturada apenas com água não tem sabor pronunciado e conquista as pessoas inicialmente pela sua cor, que lembra a de um sorvete de uva, e pela consistência.

Assim como há aqueles que se rendem ao sabor do açaí já no primeiro gole ou colherada, existem outros que juram jamais repetir a dose. Um dos segredos do sucesso do açaí é seu perfeito casamento com uma série de frutas e ingredientes, como morango, mamão, banana, pó de guaraná e mel entre outros. É essa mistura que dá mais gosto ao fenômeno. E vicia.

Mas atenção: o açaí engorda os neoviciados sedentários, mas engorda muito esses que não são atletas.

Cada 100 gramas de polpa da fruta contém 247 calorias. Como uma tigela chega a ter 500 gramas, são 1.235 calorias em apenas uma porção. Isso sem falar nas frutas e nos flocos de granola com mel, no docíssimo xarope de guaraná e outros aditivos energéticos que se costuma incluir na mistura. Ou seja, creme de açaí é uma bomba de calorias.

Justamente por isso deve ser consumido moderadamente por quem não quer engordar, como sugere o médico José Paulo de Oliveira. Lógico que o açaí não é só caloria. Sua composição inclui proteínas, cálcio, fósforo, ferro, vitaminas do complexo B e vitamina C, que é bastante energética.

Para a nutricionista Simone Jablonka, o modo ideal de se aproveitar o potencial energético do açaí sem agredir a balança é limitar o consumo a apenas 50 gramas. E assim mesmo in natura, batido apenas com água – sem adição de açúcar, mel ou xarope de guaraná. Calorias vazias, depois de metabolizadas pelo fígado, se transformam em gordura.

escolhida como melhor resposta no Yahoo Perguntas